DIVULGAR DESAPARECIDOS-UMA LUTA DE TODOS NÓS!

Mais de 200 mil pessoas desaparecem no Brasil por ano,segundo pesquisa realizada pela ONG Movimento Nacional de Direitos Humanos e Ministério da Justiça(dados de setembro/2009).Deste total,crianças e adolescentes representam 5%.Os motivos do desaparecimento podem ser variados:tráfico de seres humanos,rapto de crianças para adoção ilegal,prostituição e exploração sexual infanto-juvenil.Para a polícia,porém,as causas apontadas acima são minoria.Muitos se perdem ou fogem de casa por causa da violência ou alguma deficiência mental.Ajude a diminuir a dor dessas famílias,divulgando fotos de desaparecidos.Uma luta de todos nós!

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Desaparecimento e o tráfico humano preocupam



O desaparecimento de pessoas, em grande parte relacionado ao tráfico humano, foi um assunto que preocupou autoridades em 2012, com mobilizações principalmente na esfera estadual e municipal. 

Da parte do Estado, merece destaque a criação do Programa São Paulo em Busca das Crianças e Adolescentes Desaparecidos (www.policiacivil.sp.gov.br/programa), lançado em maio, e que terá um projeto piloto no interior, começando por Sorocaba, através da mobilização dos cinco Conselhos de Segurança (Consegs) da cidade, com o apoio da Fundação Ubaldino do Amaral (FUA), mantenedora do Jornal Cruzeiro do Sul, que irá divulgar fotografias e dados dos desaparecidos.

Sorocaba também ganhou neste ano uma lei que determina a publicação de fotos e informações sobre os desaparecidos no Jornal do Município, órgão oficial da Prefeitura, e já iniciou as discussões para outra lei, igualmente de autoria do vereador João Donizeti Silvestre (PSDB), que pretende instituir na cidade uma política pública municipal de busca a pessoas desaparecidas. A ideia é obrigar hospitais, clínicas, albergues e demais locais que admitam pessoas, a informar às autoridades, sob pena de responsabilização criminal, o ingresso de pessoas sem a devida identificação em suas dependências, ou que possuam indícios de que estejam desaparecidas. Já na hipótese do retorno ou encontro da pessoa tida como desaparecida, os familiares ficam obrigados a comunicar às autoridades. Isso ainda não ocorre aqui na cidade (nem mesmo no país) e é uma das dificuldades que a polícia tem para contabilizar quem já foi localizado.

As ações citadas acima são alguns avanços, porém as dificuldades também são grandes. Dados apontam que mais de 200 mil pessoas desaparecem no país pelos mais variados motivos, desde problemas com alcoolismo ou drogas, fuga de um lar onde há agressão, até casos de sequestro e tráfico de seres humanos. Tráfico humano envolve adoção ilegal, trabalho escravo, exploração sexual e venda de órgãos e tecidos. 
O Brasil é, de acordo com as estatísticas, o maior fornecedor de mulheres da indústria do sexo para os países de primeiro mundo, sejam elas jovens ou crianças. Conforme reportagem publicada por este jornal em junho, o tráfico humano é um dos crimes mais rentáveis que existe, perdendo apenas para o tráfico de armamentos, e o Brasil, apesar de ser signatário do Protocolo de Palermo, que trata da punição ao tráfico de pessoas, ainda não possui uma legislação que puna esse tipo de crime.

Sorocaba, por exemplo, possui desde 2010 uma sede do Comitê Regional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, porém ainda aguarda a aprovação de um decreto que o torne mais atuante. Talvez seja por conta das estatísticas alarmantes que o tráfico humano tem sido abordado atualmente pela novela "Salve Jorge", exibida às 21h, horário nobre da Rede Globo. A repercussão da novela pode ajudar as pessoas a refletirem sobre o assunto, a se prevenirem, e também fortalecer projetos de política pública. Na década de 90, a mesma autora, Glória Perez, tratou do desaparecimento de crianças, na novela Explode Coração. Na época, a emissora desenvolveu uma campanha de utilidade pública por meio da personagem Odaísa, vivida por Isadora Ribeiro, que tinha um filho desaparecido. Com a exibição de fotos de crianças desaparecidas na vida real, a novela ajudou a localizar 65 delas.

A divulgação da imagem dos desaparecidos, aliás, é um dos fatores mais importantes para se localizar quem sumiu, porém é onde há a maior falha. A polícia não exige que as famílias levem fotos para registrar o boletim de ocorrência, e as famílias, por sua vez, acabam não levando, o que inviabiliza a busca. Por conta dessa falha é que a lei que determina em Sorocaba a publicação de desaparecidos no Jornal do Município, tem encontrado dificuldades. É esse mesmo motivo que tem inviabilizado a publicação, também pelo Jornal Cruzeiro do Sul, de fotografias dos desaparecidos, conforme projeto em parceria com os Consegs.
 
Já em âmbito estadual, a ação nessa área inclui a divulgação dos desaparecidos no site da Secretaria de Segurança Pública (www.ssp.sp.gov.br), onde há o link "Pessoas Desaparecidas", mas a busca não pode ser feita por cidade e nem por Estado, o que dificulta a pesquisa. O problema é que o sistema é o mesmo usado para o Programa São Paulo em Busca das Crianças e Adolescentes Desaparecidos. Além disso, foi prometido um sistema de envelhecimento de imagem para que fosse possível reconhecer crianças e adolescentes desaparecidos há anos, o que até agora não foi viabilizado.

Tudo isso mostra que os passos estão sendo dados, porém requerem mais avanços. É preciso urgência nessas questões, afinal não se sabe o que pode estar ocorrendo com as pessoas desaparecidas. Somente em Sorocaba, de janeiro a dezembro do ano passado, foram registrados 851 desaparecimentos. É um drama que tem despertado maior atenção por parte das autoridades, mas que ainda tem um grande caminho a ser percorrido para que haja um sistema eficiente de busca. 

Denúncias sobre desaparecimento ou tráfico humano podem ser feitas pelo telefone 181.


fonte>>http://www.cruzeirodosul.inf.br/acessarmateria.jsf?id=444045

Nenhum comentário:

Postar um comentário